O Joio e O Trigo

Especial: O agro é lobby

O agro não é pop, o agro não é tech. O agro é tóxico, agro é morte, agro é lobby. É o que iremos contar na série de reportagens que O Joio e O Trigo começa a publicar nesta segunda-feira, 13 de setembro.

Nas próximas semanas, em cinco reportagens de Leonardo Fuhrmann, mostraremos como o agronegócio vem operando em Brasília para aprovar projetos de seu interesse.  O agronegócio tem uma posição decisiva dentro das relações de poder. O setor apoiou maciçamente o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) em 2016, esteve ao lado de Michel Temer (MDB) quando o então presidente foi alvo de denúncias de corrupção e, desde 2018, durante a campanha eleitoral, é um dos principais aliados de Jair Bolsonaro. 

Tivemos acesso exclusivo a um documento interno do Instituto Pensar Agro (IPA) – organização de associações setoriais empresariais do agronegócio que atua representando os interesses da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) – que apresenta a divisão de temas onde atuam e os planos do setor do agronegócio para a agenda política deste ano. 

O documento não é somente uma demonstração do poder do agro de controlar o Congresso Nacional: é o retrato de um projeto de país que se impõe rapidamente. 

Como afirma o antropólogo Caio Pompeia, autor do livro Formação política do agronegócio (Editora Elefante e Joio), “se antes era possível mapear a ligação de parlamentares com o agronegócio por propriedades rurais ou financiadores ruralistas, hoje a relação é ainda mais complexa, porque estamos analisando uma cadeia com interesses em diversas etapas da produção”. 

O organograma reúne políticos, presidentes de associações e técnicos responsáveis pela operação dessas articulações no Congresso Nacional, Legislativo e Judiciário. A simbiose entre a Frente Parlamentar da Agropecuária e o Instituto Pensar Agro impõe a agenda no Parlamento e garante influência nas decisões do Executivo e do Judiciário.

A série também vai mostrar como parlamentares e integrantes das associações trabalham nos bastidores do Congresso para conseguir avançar com suas demandas e as relações de representantes das associações e técnicos do instituto com o poder público e empresas privadas: a chamada “porta giratória” de profissionais que passam por associações, empresas e por cargos na administração pública. 

O documento ao qual o Joio teve acesso mostra a atuação da FPA e do IPA para escolher relatores e até autores de propostas, além de fazer apensamentos e relatórios para modificar projetos que vão contra seus interesses. 

As manobras não são ilegais, mas mostram como a tramitação e a aprovação dos projetos vão muito além de apresentar as propostas e conseguir maioria para aprová-las. E explicitam que, na nossa democracia falha, quem detém poder econômico e político é quem dita as regras. 

Uma das principais atividades dos grupos de pressão, por exemplo, é a tentativa, por parte de sojicultores, de dificultar a demarcação de terras indígenas e impor a produção dentro das áreas demarcadas.

A redução dos direitos trabalhistas e a redução dos casos em que é possível enquadrar violações como situação análoga ao trabalho escravo também é uma das prioridades dos ruralistas no Congresso, capitaneada pela cadeia da carne.

Os atingidos pelo lobby dos ruralistas são as comunidades indígenas, quilombolas, povos tradicionais e o meio ambiente. A pressão é para a criação e a expansão de fronteiras agrícolas do Brasil, que já caminha rapidamente para se tornar um grande pasto para a produção de soja, milho e carne.

Matérias relacionadas