Crônica | Um texto levíssimo para repensar as telas e a gourmetização dos ultraprocessados

Do presunto saudável à margarina com creme de leite, os ultraprocessados mais crocas ganham holofotes em meio à maior crise de fome vivida nos últimos anos

Chafurdada em casa no segundo ano pandêmico do Sars-Cov-2 achei que a quarentena não passaria de um mês, mesmo sendo uma palavra bem sugestiva quanto ao seu conceito. Já fui aquela pessoa que tentava fazer do ócio um tempo produtivo e via lições positivas de uma reclusão. É claro que foi uma fase passageira. 

Depois de algum tempo, achei que seis meses era mais realista, depois, me conformei com um ano. E cá estamos agora, na segunda temporada do interminável 2020. Tem dia que ainda me confundo no calendário.

Mas de uma coisa tenho certeza: é junho e estamos com mais de 500 mil vidas perdidas na conta e 60% da população em situação de insegurança alimentar grave. Estamos aprendendo a (sobre)viver num cotidiano moldado pela barbárie, com picos de ódio àquele que não merece ser citado e problemas estruturais que não temem o vírus.

Faço uma leitura que vai da nossa necessidade de formulação (compulsória) de novos hábitos ao desespero genuíno por um entretenimento que substitua um boteco de quarta-feira, para dizer que as telas ganharam de vez o papel centralizador das nossas relações com o mundo – interno e externo, seja lá como você queira interpretar isso.

Poderia citar aqui a infinidade de séries que assisti em um ano e meio que superou tudo o que já tinha visto em matéria de streaming. Poderia falar sobre cursos que topei fazer e, no meio do caminho, pensei: onde fui amarrar meu burro? Poderia me lembrar dos grupos de estudo que surgiram espontaneamente e desapareceram no mesmo estalar de dedos. Isso sem falar dos bares (cof, cof) online aos quais me sujeitei para ver os amigos e matar um pouquinho a saudade dos meus.

Mas o ponto que me interessa chegar é no entretenimento vanguardista desse Brasil: a televisão. Passei a ver TV durante a pandemia como quem se prepara para o apocalipse, apegada à ideia de que o plantão da Globo me avisaria sobre qualquer bomba quentíssima. Foi assim que acompanhei as primeiras notícias. De Wuhan à Cidade Tiradentes, zona leste de São Paulo, onde morava Rosana Urbano, primeira vítima registrada no país. 

A programação quadrada da família Marinho ganhou espaço no meu dia a dia. Mas arrisco dizer que não foi só comigo. Não à toa, o BBB 21 teve a ganhadora mais famosa da história. As pessoas estão nas telas como nunca, é a afirmação empírica mais consciente que posso me dar ao luxo de fazer. 

Passei não somente a assistir à Globo, como também tornei-me assídua dos realitys que antes eu nem sabia existir. Pronta pra uma distração de qualidade, liguei a televisão para ver o Mestre do Sabor – essa era a programação da família quarentenada para uma quinta à noite. O programa de disputa gastronômica entre chefs, apresentado pela dupla Claude Troisgros e Batista, parece ir de vento em popa, muito obrigada. Quem diz isso são os patrocinadores de peso. Seara, Santander e a Eisenbahn garantiram suas cotas nesta terceira temporada. 

Mas não tem sido fácil, Brasil… Já no terceiro programa, exibido em maio, a prova de eliminação teve como ingrediente obrigatório o Levíssimo. Aí, claro, você deve me perguntar: que raios é Levíssimo? Desconcertada e ainda incrédula, respondo: presunto. Sim, uma carne de porco embutida que promete estar entre o peito de peru e presunto, é o merchan feito pela própria Seara. Mas eu insisto: é presunto. Não por uma convicção técnica do que pode ser enquadrado nessa categoria de alimento que insiste em descaracterizar os animais abatidos, mas porque tem aparência de presunto, denunciam minhas lembranças da época em que meu pai tinha uma padaria e eu via de pertinho todas as camadas de uma peça de frios. 

Reprodução.

“É o novo Levíssimo Seara, pra gente comer sem culpa. É fonte de proteínas, feito com carne de lombo, saboroso e diferente, com 38% menos sódio e 30% menos gordura”, dizia o roteiro narrado por Claude. Um conceito de saudabilidade que é vendido a todo custo, só faltou dizer, mesmo, que Levíssimo é bom para aumentar a imunidade.

Os chefs que caíram na berlinda tinham que usar o produto da patrocinadora no prato que os salvaria da eliminação. Eu chamo atenção aqui para o fato de que os apresentadores não chamam o tal de carne, de embutido, ou… de presunto. Levíssimo. Levíssimo. Levíssimo, que acabou virando piada entre meu núcleo familiar debochado.

Mas a essa altura a gente sabe o que é, né? Ultraprocessado. 

Essa história ganha uma boa parcela das minhas reflexões porque a gourmetização de produtos de baixa qualidade e, por isso, mais baratos e acessíveis, ganha um espaço oportuno quando o país se afunda em uma crise socioeconômica jamais vivida nas últimas décadas. Com a queda do consumo de carne em 44% desde o início da pandemia, seria ingenuidade achar que a indústria não encontraria novos caminhos para continuar dentro do jogo cotidiano – e do reality.

Mas o meu incômodo não parou por aí, não. No início de junho foi a vez da margarina Delícia dar as caras no programa. A ex-marca do conglomerado Bunge passou a ser da Seara – empresa da JBS – em um acordo oficializado no final de 2020. Tá passada? Sim, margarina. E com um adendo: agora a Delícia é feita com creme de leite. As suas preparações ficarão mais cremosas e gostosas, disse Claude, que também está contratado pela empresa para ser o garoto propaganda da nova versão da margarina.

No programa exibido na última semana (18/6), a margarina virou estrela da calda que levava café expresso e canela. “A Delícia mudou, e mudou para melhor”, propagandeou Claude.

A essa altura, meus caros e minhas caras, essa que vos fala já perdeu a esperança de uma distração tranquila em qualquer tela que seja. Peço licença para brincar com a sintaxe, mas a elevação de produtos de baixa qualidade a um nível gourmet, como se propõe o programa, é um golpe baixo. 

Se o consumo de carne deve ser problematizado, e o uso da manteiga, moderado, quem dirá o de presunto e margarina. Quando o quilo da carne de segunda pesa nos bolsos e um pote singelo de manteiga passa dos vinte reais, é preciso dizer à sociedade: não deixem de consumir os nossos produtos, dá para fazer coisas “incríveis” com menos. 

É mesmo? Pois eu conclamo que o preço é alto. Vai-se embora seu salário suado e a saúde que lhe resta, para dizer o mínimo.

Se há algum lugar para onde fugir agora, por favor, me avise, os realitys da Globo já não cumprem o papel que tinham antes. Pelo menos, não para mim. Não sei se eu vou ficando – como diria a minha mãe – mais radical a cada dia, ou nem uma alienação-zinha está dando conta do que é ser brasileira em 2021.

Matérias relacionadas