Os últimos dias do chocolate

Quando o cacau virou produto, famílias do Sul da Bahia fizeram fortuna. Indígenas e agricultores sofreram desgraça. Até que uma praga chegou, e varreu tudo. Das ruínas surgiram assentamentos e florestas. E novas ideias sobre como respeitar o cacau para produzir um chocolate de alta qualidade. Enquanto isso, de diferentes partes vem o alerta: o chocolate está com os dias contados. 

O chocolate é um símbolo do fracasso das promessas do sistema alimentar guiado por corporações. Hoje onipresente, algumas décadas atrás ele nem poderia ser chamado de chocolate. A transformação do cacau em produto mudou a história de famílias e de toda uma região do Brasil. Décadas depois de conhecer as ruínas, esse setor tenta se reerguer, mas os caminhos ainda são incertos: repetir as táticas do passado ou se reinventar? 

Se a gente consome tanto chocolate, de onde vem tanto cacau? Não vem. Algumas décadas atrás, esse produto nem poderia ser chamado de chocolate. A mistura de açúcar com gordura fez do chocolate um produto global, e do cacau um enorme problema. Percorremos o Sul da Bahia para conhecer a fortuna de alguns e a desgraça de muitos. E para entender como algumas pessoas buscam repensar a relação com o grão e o chocolate. 

Entrevistas:

  • Ramón Tupinambá, cacique de terra indígena no Sul da Bahia
  • Bradiane Farias Ribeiro, procuradora do Trabalho no Ministério Público do Trabalho em Itabuna
  • Antônio, produtor rural de cacau na região de Serra Grande
  • Rui Rocha, sócio-fundador e presidente do Instituto Floresta Viva
  • Joelson Ferreira de Oliveira, liderança do Assentamento Agroecológico Terra Vista, em Arataca (BA)
  • Diego Badaró, dono da marca de chocolate AMMA

Fontes de informação citadas no episódio

  • Artigo “A região cacaueira do sul do estado da Bahia (Brasil): crise e transformação” analisa os ciclos do cacau no país; 
  • Trabalho do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura conta que cacau era o principal produto de exportação da Bahia no começo do século 20;
  • Pesquisa Produção Agrícola Municipal, do IBGE, registra a forte queda na virada dos anos 1980, decorrente da vassoura de bruxa;
  • Associação das Indústrias de Processamento de Cacau (AIPC) diz que Brasil é o sétimo maior produtor do mundo, com valor bruto de R$ 18 bilhões em 2020;
  • Resolução de 2005 da Anvisa define que chocolate deve ter mínimo de 25% de “sólidos de cacau”. Antes, era de 32%.
  •  

Para saber mais…

  • Documentário “O nó. Ato humano deliberado” conta a história da vassoura de bruxa que arrasou a plantação de cacau;
  • Reportagem da BBC elenca cinco razões para explicar por que o chocolate está ameaçado;
  • Folha de S. Paulo: “Ação nos EUA liga indústria do chocolate a trabalho infantil na África”;
  • Este artigo (em inglês) conta a história do chocolate como um produto global, nos últimos duzentos anos; 
  • Reportagem do Joio revela violações cometidas por fornecedora da Nestlé no Pará. 

Se você tiver alguma dúvida, comentário ou sugestão sobre o episódio, fala com a gente nas redes sociais ou no email podcast.pratocheio@gmail.com

Pesquisa Mariana Marçal | Roteiro João Peres | Narração Amanda Flora | Edição e Criação de Som Victor Oliveira | Produção-executiva Luisa Coelho | Design Denise Matsumoto & Clara Borges | Mídias Sociais Nathália Iwasawa, Amanda Flora & Brenda Vidal

Trilha sonora adicional Blue Dot Sessions; Victor Oliveira; Trilha sonora oficial do filme ´A Fantástica Fábrica de Chocolate´ (1971); Tupinambá, Déa Trancoso

Matérias relacionadas